Racismo





Como eu ja disse no meu "about me", eu nasci na Suíça alemã (em Zurique) e fui criada lá, morava em um bairro bem pequeno mesmo, onde todo mundo se conhecia(perto de Baden),mas como a maioria das amigos dos meus pais e os meus tios moravam em Zurique eu sempre ía pra la, direto! E nesse tempo que que vivi na Suica-alema,nunca fui vitima racismo.
Com uma certa idade (depois da morte do meu pai), já bem crescida, fomos morar no Brasil, porque minha mãe queria estar perto da família dela nesse momento tão difícil pra nós duas (ficamos 7 anos morando no Rio), não vou dizer que foi fácil, chorava, achava tudo muito diferente, mesmo estudando na escola Suíça, que minha mãe fez questao de me colocar, para não desaprender o alemão e para me sentir mais acolhida naquele país que eu só conhecia como o "país que passava minhas férias de verão". Eu sempre soube que iria voltar pra Suíça,afinal cresci e fui criada aqui. Agradeço à Deus por aquele tempo no Brasil, porque aprendi MUITO!!!

Mas nesse tempo no Brasil, nunca sofri nenhum tipo de preconceito pelo fato de ser negra, porque mesmo quando as pessoas me olhavam de jeito estranho, por incrível que pareça, quando sabiam que eu vinha da Suíça, elas mudavam drasticamente o modo de me tratar e olhar. Parece meio idiota isso, mas é verdade, e olha que nunca era eu que falava que não tinha nascido no Brasil, ou era o meu sotaque que me traía ou (como na maioria das vezes era o caso) as minhas amigas me apresentavam assim: "Essa é a Melanie e ela nasceu na Suíça..."
Eu lembro uma vez, que na escola dominical, como o meu professor sabia que eu estava recentemente morando no Brasil, então não sabia escrever em português, ele me colocava pra sentar perto dele durante a aula, assim ele ía me ajudando a fazer as anotações. E como era uma classe pra pré- adolescentes e o professor era bem novinho e gatinho essa atenção toda voltada para mim, fez com que algumas meninas mais velhas do que eu(deveriam ter uns 15 anos) ficassem com ciúmes. Eu só lembro que durante a aula ele ía explicando, eu anotando tudo, tentando entender onde colocar os acentos e só via que tinha uma menina que me encarava, me deu um pouco de medo, mas eu tava tão interessada em enteder tudo que não fiz muito caso. Só sei que quando a aula terminou e eu saí pra ir em direçao ao culto da igreja, para encontrar com a minha mãe, essa menina e mais umas 4 vieram na minha direção, parecia coisa de filme americano, as populares tentando encarar e acabar com o nerd da classe (nesse caso o nerd, era eu!!). A tipo líder do grupo das galinhas, chegou cheia de autoridade pra mim e começou a falar comigo em inglês e eu com meu português que na época era bem enrolado, perguntando pra ela o que ela estava dizendo e ela repetiu e eu de novo não entendi. Pra que eu não fui entender o que ela disse... ela começou a arrasar comigo, dizendo que eu não vinha da Suíça nada, como já se viu uma suíça nao falar inglês, que é a língua nacional(heheh, sim ela era uma ignorante) e eu tremendo tentando explicar no meu português errado que na Suíça se fala alemão e que eu tinha 12 anos e ainda não tinha aprendido o inglês. Mas não adiantou, ela ficou gritando mais alto e as amigas concordando, só lembro que chorei e usei isso como mais um motivo para as minhas queixas em relação a minha mudança pro Brasil.
Ficamos no total 7 anos morando no Rio e devido a minha escolha de estudar moda em Milão (que é assunto pra outro tópico), voltamos para a Suíça, mas não para a parte alemã mas sim para a parte italiana. Que sinceramente parece ser um outro país, não tem nada de parecido com a parte alemã. Nem o clima, nem o povo e muito menos a mentalidade é a mesma. e é sobre isso que eu quero falar...(sei que to enrolando,mas precisava fazer essa introdução).

Há mais de dois anos, nós moramos no Ticino(parte italiana da Suíça), e nesses dois anos que estamos aqui, eu já sofri preconceito 2 vezes!! Na primeira vez, foi ano passado, o preconceito partiu de um menino que estuda comigo, ele já me tratava mal, dizia que brasileira era tudo puta, que se fosse pro Brasil iria só pra pegar as putas, mesmo eu sendo a única brasileira na sala(resumido a indireta era pra mim), eu só pensava que cara idiota, não conhece nada da vida e do mundo e no máximo só deve ter ido pra Itália e pronto (o que è verdade).
Até que depois as ofensas dele, começarem a se tornar mais pesadas e ele diretamente falar na minha cara que eu não fiz nada pra ele mas o fato de eu ser negra.pra ele já bastava para me tratar mal. Na hora que ele falou isso, eu comecei a chorar, pode parecer idiota, mas eu nunca tinha sido vitima de racismo antes em toda minha vida e voce ouvir isso do nada, sem nenhuma explicaçao, posso te garantir que è horrível!! Porque você nem sabe como se defender…o que você pode dizer pra uma pessoa que diz, eu não suporto negros e não consigo ter uma conversa decente com pessoas de cor? Mas então, ele me ofendeu, eu chorei mas cheguei em casa e fui me informar. O pai da minha melhor amiga è político e ele disse, você pode denunciar ele e querendo pode levar isso até pro jornal se no caso a escola não fizer nada(porque como isso aconteceu dentro da escola, ele me aconselhou a informar a escola e relatar isso, se a escola não fizesse nada aí sim ir atrás de outros meios mais drásticos). Informei a escola que rapidamente começou a se mexer,me chamaram , mais uma outra menina da minha turma que ele também tinha ofendido por causa da cor, em relação a ela, foi assim, teve uma votação na turma e ela è a mais nova da minha sala, aí alguem falou assim, o voto da Sarah vale o dobro porque ela é a mais nova e ele “educadamente respondeu”, o voto dela não vale nada porque negro não tem direito de voto!(uma graça esse menino né? Mas antes que vocês pensem que ele è um skinhead, ele não è não…ele è um italiano lá do sul que só porque pegou o passaporte suíço acha que è ariano, e sabe o que è pior? Ele uma vez chegou pra mim e disse: Melanie,sabia que quando eu tomo sol, eu fico mais escuro do que você? Dá pra entender?!
Mas voltando ao assunto… chamaram ele, ele negou tudo, dizendo que eu tava inventando tudo.Só sei que ele mandou chamar até a melhor amiga dele(que tem um cunhado africano e ela mesmo já tinha me dito que ele era racista), pra tentar defender ele. Quando ele mandou chamar a melhor amiga , eu lembrei que naquele dia, tinha uma menina nova na escola que ela era da outra turma e ela tinha ouvido tudo, porque quando ele me ofendeu ela chamou ele de idiota. Só sei que na hora eu disse o nome da menina e pedi pro diretor chama-la. Juro que eu naquele momento pensei, que merda eu fiz, eu nem conheço essa menina e se ela com medo de dizer o que aconteceu,negar tudo? Lembro que na mesma hora começei a orar em voz bem baixinha, pedindo pra Deus não deixar eu ser envergonhada.
A menina e a amiga dele chegaram e por incrível que pareça, nem a melhor amiga dele defendeu ele, disse que ele faz esses comentários racistas sim, mas ele faz pra zoar, porque ele não sabe medir as palavras. Só sei que quando chegou a vez da minha testemunha, ela falou coisas sobre o ocorrido que eu NEM sabia!! Disse que nunca viu sair tanta maldade da boca de uma pessoa e que ele não feliz em me ofender, na hora que eu troquei de lugar(porque depois que ele me ofendeu, eu mudei de lugar porque não queria ficar perto daquele idiota) ele teve a coragem de falar pra amiga dele que se eu fosse denucniar ele, ele iria se vingar! Resumindo,o diretor mandou encerrar alí mesmo e disse que se isso ocorresse uma outra vez, a própria escola iria denunciá-lo e citar que não era a primeira vez que isso acontecia. Então foi resolvido isso, mas teve gente da minha turma que quando soube que eu poderia ter denunciado ele, acharam um absurdo e um exagero, denunciar uma pessoa só porque ela te ofendeu pela cor. Teve um que até falou assim, “então se eu chamar uma menina de puta ela pode me denunciar?”
Sem comentários né? Mas isso fez com que eu aprendesse muito, que mesmo quem se faz de amigo, na hora que você precisa a mascara cai!
Hoje em dia, ele vem e tenta puxar papo comigo, dando uma de educado e simpático, eu falo com educação com ele, mas só o necessario. Porque afinal uma pessoa que pensa assim, não muda de opinião de um dia pro outro.

Mas então, ainda não acabou..lembra que eu disse que sofri racismo duas vezes? Então a segunda vez, foi ontem…
Eu tinha terminado meu último dia de estágio, estava toda feliz, porque esse estágio è avaliado em nota e essa nota vai pro diploma e tirei uma nota exelente! Estava toda contente sentada no trem e mandando sms pra minha amiga, na minha frente tinha uma mulher sentada(e aqui nos trens sao 4 lugares de um lado e 4 lugares do outro)meu colega tava sentado do outro lado…até que chegou um senhor, todo sujo, com a unha do pé tao grande, que ja não deve ver uma tesoura há mais de uns 6 meses. Ele sentou na frente do meu colega e começou a puxar papo com ele. Perguntando qual era o nome do lago que estavamos passando, meu colega não é um gênio geográfico, e não sabia responder. Aí o cara começou a puxar papo come ele, perguntando se ele era suíço, meu colega disse que era italo-suíço. O velho quis saber se ele iria pro exército, aí meu colega respondeu que só depois que terminasse a escola. Só sei que o velho olhou pra mim e perguntou se eu também ía, aí eu disse que aqui na Suíça a mulher pode ir se quiser. Só sei que nessa hora meu celular tocou e era minha mãe e eu com a minha mãe falo português, enquanto eu estava falando com a minha mãe, eu só ouço o velho falando pro meu colega em voz baixa, ela deve ser “extracomunitario”,deixa eu explicar uma coisa, a palavra extracomunitario, na conotaçao leteral, quer dizer quem não faz parte dos países da UE, mas na linguagem usada muitas vezes na linguagem comum e até televisiva, è pra classificar uma pessoa que è imigrante e que è de um país de origem pobre e vem pros países da UE, pra não morrer de fome no seu país,entendeu? Mas o povo da UE, não ve esse povo com bons olhos, porque como eles tem uma mão de obra barata, eles encontram mais rapido emprego do que uma pessoa nativa. Resumindo, è uma palavra que na verdade tem um outro significado, mas as pessoas a classificam desse jeito e nesse jeito è algo negativo, no sentido de que,voce não faz parte daqui. Meu colega todo sem graça,falando pra ele, não ela não è extracomunitaria(não sei se em portguês se escreve assim), só sei que eu tava ao telefone e não via a hora de responder a esse velho abusado, não me lembro nem o que minha mãe falou, só sei que eu só me despedi dela, desliguei o celular e me virei pra ele(não sei daonde surgiu aquela autoridade toda,não me pergunte) e falei bem alto(alto mesmo,tao alto que todo mundo no vagão ouviu e olhou!): “Pra sua informação, eu não sou extracomunitaria”. Aí ele assustado me olhou(acho que ele não imaginava que eu iria reagir) e risponde: “Mas você è negra!” Aí eu: “E daí?!?! O que isso tem a ver??Sou negra porque sou metade brasileira! E daí?”(gente e isso quase aos berros, não se esuqeçam que tava todo mundo olhando…) Ele já com a voz muito mais baixa do que a minha: “Então, você não faz parte daqui, você è uma extracomunitaria”. Eu respondi coma voz mais alta ainda do que antes: “ Pra sua informação, sou metade brasileira e minha outra metade é italiana, meu pai è italiano!” Ele: “mas voce è negra.” E eu: “e daí se sou negra, sou mistura. E o senhor por acaso è o que??(mas isso tudo eu falando com maior autoridade. Antes dele responder, meu colega se metedeu e disse: “Ah se è assim ,como o senhor ta dizendo eu sou africano, porquer a sicilia è do lado da africa. Mel, nem ouve o que esse idota tá falando somos todos extracomunitarios entao,so ele que è cidadão”. E nisso a mulher que tava na minha frente também se meteu e disse pra ele: “Mas que raio de raciocinio o senhor tem?”Ele ficou tão sem graça, que só falou que fazia parte da comunidade. Aí eu bem atrevida: “De que comunidade?” E ele: “da comunidade italiana.”Aí eu pra não deixar barato só falei assim: “O senhor nem mora aqui na Suíça e nem è daqui e acha que pode ficar discriminando as pessoas, nem adianta falar com uma pessoa assim, porque o seu cerebro jamais vai conseguir raciocinar direito!” ele disfarçou,perguntou pra moça quantas paradas faltavam pra Como(Italia) e bem devagar se levantou e foi sentar lá pra trás.
Depois disso me senti tão bem! Porque eu me defendi! Lembrei do ocorrido no Brasil, que por causa da língua , não consegui me defender do grupinho das meninas malvadas, lembrei do preconceito sofrido na escola, que na hora eu não consegui me defender também. Mas dessa vez,não fiquei com medo, enfrentei mesmo.Se eu soubesse que a sensação è tão boa, teria enfrentado,gritado antes!
Não quero dizer que o povo do Ticino è racista, porque nas duas vezes foram italianos que me discriminaram. Só quero dizer que não depende em que lugar ocorre, o que quero dizer, que ninguém nesse mundo, tem o direito de te tratar mal, por causa da cor da sua pele ou por causa da sua nacionalidade ou situaçao financeira. Na suíça-alemã eu nunca sofrí racismo, porque è só eu abrir a boca que se ve que eu não sou “estrangeira” e acho que também a Suíça alemã, tá mais acostumada com imigrantes, estrangeiros, do que a parte italiana, porque aqui por muitos anos os estrangeiros eram só os italianos, comparando com as outras cidades, aqui não faz muito tempo que pessoas de outras nacionalidades estão imigrando com mais frequência.

Nem sei se alguém vai ler isso tudo, mas senti de relatar isso, porque nunca se sabe, talvez possa ajudar alguém . Mas nunca se esqueça, racismo ocorre em qualquer lugar do mundo, nos países desenvolvidos e nós menos desenvolvidos, a diferença è como nós enfrentamos ele!


“Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter.”
– Martin Luther King, Jr.



Imagem: http://nurainmagazine.files.wordpress.com/2008/10/racismo.jpg

11 comentários:

Bia Mendonça disse...

Melanie, fiquei de cara com esse seu post! Um absurdo uma situação!

Cada dia que passa as pessoas ao invés de abrirem suas mentes para a diversidade que vem crescendo cada vez mais, a fecham. Fecham pq tem medo, fecham pq tem mente pequena.

Pessoas que agem e se comportam dessa forma, não só ao senhor do trem, mas também as meninas e o seu colega de curso, são pessoas que ainda vão apanhar muito na vida, pois é a vida quem ensina que mente fechada é igual a ser burro!

Parabéns por vc ter tido forças para se defender, pq infelizmente, a pessoas sofrem por preconceitos e passam por situações como essas todos os dias, mas não tem forças para se defederem e pior, acabam acreditando que a outra pessoa tem razão.

Independente de onde vc é ou pra onde vc vai, não é a cor da sua pele, a sua nacionalidade, ou se é rico ou pobre... o que é importa é o carater das pessoas. E pode ter certeza que em comparação as essas pessoas que vc citou no seu post, vc já ganha de longe!!


bjs

Melanie disse...

brigada bia, pelas palavras,mto obrigada msm!!

mas sabia q eu tava pensando nisso dps do ocorrido??
qntas pessoas que sao verdadeiramentes extracomunitarios,imigrantes e em uma situaçao como essa nao teriam tido nem a coragem de se defender?por vergonha, por nao dominar a lingua... por tantos motivos. so sei que agora, esse cara e o menino da minha escola, antes de ofender uma pessoa por qualquer razao que seja, vao pensar 10 vezes antes, porque sabem que msm tendo gente que nao tem coragem de se defender, tem mta gente que enfrenta msm e nao deixa barato!!

como uma amiga minha diria:
"pode vir quente que eu to fervendo!!"

=)

Thyago disse...

Adorei seu blog e seus textos. Muito louca essa vida de mudanças. Até mais e passa por nosso blog também. Tenha um excelente dia.

Thyago disse...

perdão não estava no openid. O blog em questão é www.nostrosito.net

Solange disse...

Melanie
é super importante o seu "grito" de alerta. Seja por racismo de cor, raça, sexo ou religião. Temos que respeitar! Somos todos Seres Humanos! Somos iguais.
É uma verdadeira lição que temos que práticar quando necessário, lutar pelo respeito e igualdade.
PARABÉNS POR SUA CORAGEM.

Solange - BSB

Gabi disse...

Melanie, sei bem como voce se sentiu. Ja morei em 4 paises diferentes e posso dizer pelas experiencias que passei que a Suica e o pais mais racista e contra imigrantes que ja vivi. Ja vi diversas vezes os suicos me olharem torto so porque sou brasileira. Entendo que a criminalidade acontece na maioria por causa dos imigrantes, mas nao se pode colocar todo mundo no mesmo saco. Aspessoas precisam abrir a cabeca e deixar de pensar que todo imigrante seja ele negro ou nao vem para ca para ter uma vida melhor. Bjs e gostei m uito do seu post

Melanie disse...

Thyago-entrei no seu site,tentei comentar nele, tres vezes e todas as vezes deu erro no explorer.
obrigada pela visita e pelo comentario, tentei retribuir,mas nao deu pra te escrever.

Solange - mtoo obrigada pelo seu comentario e pelos elogios! tentei entrar no seu blog, mas nao aparece link. hehe... vlw msm pelo comentario e te desejo uma otima semana!bjo

Gabi - obrigada por ter comentado, é sempre bom receber comentario de alguem q esta na msm terra que eu e entende bem o que eu estou falando.
realmente o aumento da criminalidade pode ser um dos motivos dessa raiva toda contra estrangeiros, mas n eh uma desculpa pra atacar todo estrangeiro que vive nesse pais. pq afinal se tem tanto estrangeiro aqui na suica, eh pq ela msm (economicamente), ganha com isso. e como tem estrangeiros criminosos tb tem nativos sem vergonha, nao eh sua nacionalidade que vai definir seu carater! bjo gabi e otima semana pra vc tb!

MICHEL disse...

Oi Melanie! Li todo teu belo texto e gostei muito! A gente cresce assim e tem mesmo que se defender com a inteligência! O povo aqui geralmente é assim mesmo. Nunca tive problema porque pareço alemão, mas sempre digo que sou brasileiro e me orgulho muito! Um cara alemão, sem saber que eu era brasileiro, falou que as brasleiras eram todas putas e faltou pouco para eu dar porrada nele. Mas deixa eles com essa vidinha mediocre e vamos curtir nossas vidas como sabemos bem! Continuo com o blog, passerei sempre!
Bjos e paz! Michel
www.rodandopelomundo.com

Bia Mendonça disse...

Oi Melanie!

Olha... em Zurique, eu tenho quase certeza absoluta que deve ter. Alguma livraria grande por lá deve ter um setor de livros em inglês. E a linguagem desse livro é ótima. Eu particulamente (talvez por costume), gosto mais do inglês americano, às vezes tenho dificuldade de entender certas expressões do inglês britânico, e certas palavras são diferentes em um país e em outro, e eu sempre aprendi as palavras americanas.

É de longe um dos melhores que li ultimamente! Mas acho que esse vai depender muito do seu gosto! Pois o motivo de amar o livro foi me identificar com a Emily!

bjs

Manu Andrade disse...

Oi Mel,

li o seu relato e sei bem o q e' isso, principalmente a visao que os italianos tem dos extracomunitarios e q eles tem das brasileiras em geral. Passei por varios epsodios parecidos com o seu desde que estou aqui, principalmente com a familia do meu noivo/marido, lombardos doc.
Chorei, briguei, discuti, quis voltar pra casa correndo... nao foi facil, precisei mto do conforto e graca de Deus!

Mary disse...

Olá, cheguei aqui pelo blog rodando pelo mundo do Michel. Também já sofri preconceito racial (mãe branca, pai mulato) aqui no Brasil e pq nasci no RJ e moro em SP isso se soma. Mas somos competentes!

Related Posts with Thumbnails